Fibromialgia: a doença da alma.

“Se eu pudesse, suportaria a dor; Coloque a dor em um envelope e envie de volta ao remetente. Mario Quintana

RESUMO

Este artigo tem como objetivo abordar o conceito de fibromialgia, além de sintomas dolorosos, destacando a relevância dessa alteração no campo da saúde. É uma revisão, realizada através da consulta de artigos científicos. A fibromialgia é caracterizada como uma síndrome cujo principal sintoma é a dor sem uma causa orgânica específica. Para um tratamento adequado, você deve consultar um médico especialista. A forma de avaliação da patologia ocorre através de exames clínicos no consultório médico. Portanto, pesquisas relacionadas à fibromialgia buscam compreender e aprofundar essa patologia, para que seja possível obter o entendimento mais adequado, a fim de proporcionar qualidade de vida.

“A dor parece prejudicar nossa integridade física”. Clarice Lispector

Um corpo sempre será uma “coisa” para o sujeito. Portanto, viver cada ser depende de viver em um corpo. Dessa forma, paixões, afetos, idéias são consideradas pelo princípio da filosofia clássica, a localização das doenças humanas, evocadas pelo corpo, como uma função de apoio necessária. A análise do corpo constitui uma relação de relevância entre o que existe e sua materialidade. Está no centro das principais questões que vão além do tempo, cultura, vida, nascimento, morte e também um tema intrínseco da psicanálise: a sexualidade.

Neste artigo, discutiremos a dor física e mental sem uma causa orgânica. Vamos estabelecer aqui, uma síndrome que não encontra uma causa orgânica específica, a chamaremos de “doença da alma”. A síndrome, que inclui dor crônica sem causa orgânica conhecida, é uma fonte de sofrimento para os pacientes e um desafio para os profissionais de saúde. Essa síndrome está no limite da reumatologia e da patologia psicossomática, com comorbidades de distúrbios e deterioração da qualidade da vida profissional, social e familiar.

A fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta como dor em todo o corpo, principalmente nos músculos. A síndrome apresenta sintomas de fadiga, intolerância ao exercício e sono inquieto: a pessoa sempre acorda cansada. Os médicos classificam a fibromialgia como uma síndrome, pois caracteriza um grupo de sintomas sem identificar uma causa específica.

Não existe uma causa única conhecida para a fibromialgia, mas há sinais para identificá-la. Estudos mais recentes demonstraram que pacientes com fibromialgia são mais sensíveis à dor do que aqueles sem a doença. Isso não está relacionado a ser “forte” ou “fraco” em relação à dor. De fato, funciona como se o cérebro da fibromialgia fosse uma bússola desregulada que ativaria todo o sistema nervoso, para que a pessoa sentisse mais dor. Portanto, os nervos, a medula espinhal e o cérebro aumentariam a intensidade de qualquer estímulo doloroso.

A dor da fibromialgia é real. Existem estudos experimentais avançados que mostram como o cérebro funciona e pacientes com fibromialgia com dor. Estudos também foram feitos com o líquido que banha a medula espinhal e o cérebro (LCR) e verificou-se que as substâncias que causam dor no cérebro são três ou quatro vezes mais altas em pacientes com fibromialgia do que em pessoas sem problemas.

Pacientes e médicos parecem entender melhor as causas da dor quando há inflamação, um hematoma, um tumor, que existe, visível, causando a dor. Na fibromialgia, é diferente; Se pegarmos um pedaço de músculo que dói e olharmos ao microscópio, não encontraremos nada, porque o problema está apenas na percepção da dor.

Os dados epidemiológicos indicam uma maior incidência dessa entidade clínica em mulheres jovens, mas não podemos deixar de abordar os homens, com alta sensibilidade à dor. A sociedade e muitos pesquisadores insistem em proclamar que as mulheres sofrem mais que os homens, mas, aos olhos de um psicanalista, o homem sofre tanto quanto enfatiza o sofrimento do sexo feminino. Não se pode generalizar e racionalizar que o sexo feminino é mais sensível que o sexo masculino. Os homens ainda devem omitir seus sentimentos para que não pareçam fracos. É uma condição precária da observação humana.

Qualquer que seja o gênero, não há evidências sobre a materialidade do corpo e a presença de fatores psicopatológicos dificulta o diagnóstico e o tratamento. Enfrentando a diversidade e os fatores envolvidos em certas síndromes. É necessário indicar uma abordagem multidisciplinar para um tratamento com resultados mais efetivos.

Nesse contexto, enquanto os profissionais buscam um remédio para a dor, os pacientes exigem o reconhecimento dessa síndrome que causa muito sofrimento.

DE PSICANÁLISE:

A sugestão é considerar o possível papel da fibromialgia na estruturação psíquica como uma solução subjetiva. Para o referencial teórico-clínico da psicanálise. A psicanálise fornece alimento para o pensamento sobre a dor no corpo e seu lugar na psique.

Dado o estado atual da pesquisa sobre o assunto, dada a escassez de estudos no campo da psicanálise, o ponto chave para nós, psicanalistas, é que podemos contribuir para uma abordagem da fibromialgia que apóie a relação da experiência da psicanálise. dor Não pretendemos colocar a fibromialgia em uma mesa psicopatológica, como histeria ou depressão, o objetivo da psicanálise é sublinhar a posição subjetiva daqueles que sofrem em seus corpos com essa dor “insuportável”, pois, então, temos um diagnóstico com médicos profissionais no tratamento da fibromialgia.

O que a fibromialgia pode ensinar ao psicanalista? Acreditamos que, além da doença, existe um sujeito em questão e que o diagnóstico em psicanálise é feito a partir da posição que ocupa em relação ao seu sintoma. O que, além da dor, do que o analisando diz, inclui um discurso único. Se na medicina o diagnóstico se baseia em fenômenos comprovados e em probabilidade estatística, a psicanálise avança, além dos fenômenos, as formas de enfrentar a singularidade do sofrimento. A maneira pela qual a dor psicológica, envolvida na dor física, promove a psicanálise na subjetividade dos casos sob uma perspectiva clínica. A fibromialgia pode não ser a mesma para todos, mesmo se houver uma tipologia, uma característica sintomática da doença,

O PAPEL E / OU O PSICÓLOGO DO PSICOANALISTA NA CLÍNICA:

Para atuar no campo clínico, o psicanalista e / ou o psicólogo geralmente complementam seu treinamento com cursos: especialização lato sensu e, sobretudo, psicanálise. No entanto, o psicanalista não se tornará psicanalista até que ele conclua os estudos de pós-graduação em qualquer área e seja treinado em psicanálise. Isso implica que um psicanalista tem treinamento contínuo. Os dois profissionais também usam psicoterapia para analisar e intervir em problemas de distúrbios emocionais, comportamentais e / ou mentais. Na psicoterapia, o psicanalista e / ou o psicólogo, por meio da mediação verbal, realiza sua análise em um processo pelo qual este se torna mais consciente do que está fazendo, pensando e sentindo.

TRATAMENTO DE FIBROMIALGIA:

É importante notar que nós, como psicanalistas e / ou psicólogos, não podemos diagnosticar nenhum tipo de doença e / ou patologia. O diagnóstico de qualquer doença é exclusivamente do médico. Psicanalistas e / ou psicólogos não são profissionais de saúde. Portanto, o diagnóstico de fibromialgia é única e exclusivamente aos olhos do profissional de saúde. Em outras palavras, a reumatologia é a especialidade mais comum no diagnóstico da fibromialgia.

“O limiar de estimulação necessário para transformar um estímulo sensorial em uma ameaça potencial é consideravelmente reduzido na fibromialgia, sendo uma das principais características do processo neurobiológico, que afeta consideravelmente cada sistema e pode converter informações subclínicas em sensações desagradáveis ​​em diferentes partes. do corpo (Collado, A., 2008, p. 517-518).

DA EXISTÊNCIA DE ESTADOS DE DOR CRÔNICA:

A existência de estados de dor crônica sem substrato orgânico, de doenças dolorosas, tem sido relatada desde o século XIX. Entre eles, a fibromialgia (FM), conhecida como fibrose desde 1904 (Gowers, 1904), tem um nome bastante recente (Smythe e Moldofsky, 1977). Reconhecida pela OMS em 1992, sob a identificação M 79.7 na Classificação Internacional de Doenças (CID), essa síndrome é definida como composta por dor musculoesquelética, frequentemente acompanhada de distúrbios do sono e fadiga. Com base nessa classificação, que lhe confere um estado patológico, o maior interesse pela fibromialgia tem repercussões em inúmeros estudos (Kahn, 1989; Kochman, 2002; Heymann, 2006; Saltareli, Pedrosa, Hortense e Sousa, 2008). No entanto, sua etiologia permanece obscura e parece se referir a uma origem multifatorial,
A maioria dos textos e estudos sobre o assunto indica a possibilidade de uma comorbidade psiquiátrica em relação à presença de transtornos de ansiedade e depressão. Portanto, enfatizam a adequação do uso de tratamentos farmacológicos, pois cada caso corresponde às suas comorbidades. Deve-se notar que a indicação para tratamento psicoterapêutico é mencionada no recente estudo brasileiro sobre o assunto, ao mesmo tempo que exercícios de alongamento e assimilação (Heyman et al., Idem). Entretanto, a indicação de uma abordagem multidisciplinar para o tratamento de casos de fibromialgia parece ser consensual na maioria dos estudos médicos, ambos aparecendo no recente estudo do Consenso Brasileiro sobre o tratamento da fibromialgia (Heyman et al.,

Muitos autores reconhecem o papel importante e até preponderante dos fatores psíquicos no início da fibromialgia. Ao mesmo tempo, a maioria deles rejeita sua assimilação a qualquer doença psiquiátrica e, em alguns casos, apenas o componente psicossomático é mencionado. A vulnerabilidade psicológica marcada pelo estresse (Boureau, 2000), a tendência ao “catastrofismo”, à “vitimização”, às vezes hiperatividade prévia, um contexto de tensão emocional constante, ansiedade e doenças depressivas esboçam um quadro. do paciente com fibromialgia. No entanto, enfatiza-se que as relações causais entre sintomas psiquiátricos e fibromialgia são difíceis de confirmar. (Menkès, Godeaul, 2007).

Os distúrbios da fibromialgia (fadiga, distúrbios do sono, dores de cabeça, diminuição da atividade cognitiva) podem mostrar sinais de depressão, além de uma síndrome da dor. No entanto, não existem ideais suicidas ou elementos de desvalorização e auto-culpa. Da mesma forma, se os autores enfatizam os inegáveis ​​vínculos entre a fibromialgia e uma longa lista de distúrbios psicológicos, incluindo hipocondria, distúrbios funcionais e somatoformas, o principal critério para dor difusa parece separá-los (Kochman, Hatron, 2003). Apenas as comorbidades entre transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e fibromialgia, tanto em termos de expressão sintomática quanto de anamnese (eventos traumáticos, violência, abuso sexual, etc.) parecem estar clinicamente confirmadas. Normalmente

Em muitos casos, o teste diagnóstico da doença pode permitir que o indivíduo se alivie. Na realidade, o reconhecimento da dor abre a possibilidade de ter, como pronta para o uso, uma causa que dê sentido ao somático, mas também ao psíquico. Graças a essa identidade adotada e caracterizada pela marca registrada da fibromialgia, existe o descontentamento de sentir dores no corpo, mas não é necessário ocultá-las ou omitê-las.

CONCLUSÃO:

No entanto, nas tentativas sempre sem definições e / ou diagnóstico preciso para descrever um perfil típico do paciente com fibromialgia, o correto será obter referências à psicopatologia apoiadas no exame do sujeito. Portanto, não podemos proclamar que existe uma “cura a todo custo”, mas podemos considerar o possível papel da fibromialgia na estruturação psíquica como uma solução subjetiva. Nesta ação “esperançosa” (médico especialista e outros profissionais), ele pode manter a palavra do sujeito na tentativa de traçar uma teoria pessoal de sua doença. É um primeiro passo, uma maneira de permitir ao sujeito mudar ou, pelo menos, entender sua posição diante do sofrimento e o poder de abandonar o remédio. Em alguns casos,

Leave a Reply

Scroll to Top