GRAUS DE FADIGA síndrome da fadiga crônica

CFS é uma doença grave e incapacitante mostrando uma grande variedade de sintomas, dependendo de cada paciente, pode manifestar-se em mais ou menos quantidade e mais ou menos intensidade (para mais informações ver as mensagens: “Percentagem da população afetada pelo CFS e FM na Espanha “” Diferenças entre astenia, fadiga crônica e síndrome da fadiga crônica “” Bibliografia sobre CFS, MCS e FM “” síndrome da fadiga crônica e fibromialgia, em poucas palavras “, entre outros).

Related image

No entanto, a fadiga crônica (fadiga persistente que não diminui com o repouso) é o sintoma perene e mais intenso para todos os pacientes. Assim, essa doença é denominada por seu sintoma mais característico (Síndrome da Fadiga Crônica), um significado que não agrada ao paciente, e é muito questionado em geral, pois esse nome o faz, além de ser uma doença pouco conhecida. , as pessoas pensam que é “sem importância” e não o que é: uma patologia grave e séria, multissistêmica (veja mais no post: “Síndrome de Fadiga Crônica e Fibromialgia em poucas palavras”)

Depois de anos de experiência com pacientes com SFC, Dr. Joaquim Fernández-Solà, coordenador da Unidade de Fadiga Crônica Clinic Hospital de Barcelona (sistema público), ofereceu uma avaliação da fadiga em quatro níveis, dependendo do grau de impacto sobre qualidade de vida e atividades diárias do paciente.

Esta tabela é atualmente o ponto de referência para medir o nível de gravidade da fadiga em CFS.

GRAU 1 DA FADIGA (LEVE):  permite ao paciente levar uma vida praticamente normal, que não o limita para atividades de trabalho ou lazer. 
* Fadiga (isto é, “desconforto ou fadiga após 24 horas”) aparece quando você precisa fazer um exercício ou atividade que se torne fora do comum. 
* pode se tornar mais evidente se houver processos que coexistem com ele (por exemplo, uma doença infecciosa intercorrente) ou alguma circunstância que perturba o ritmo vital normal (por exemplo, não dormir bem por uma temporada consecutiva).

Em geral, a afetação nas atividades da vida diária é inferior a 20%, e o ambiente do paciente não percebe essa sintomatologia facilmente.

GRAU 2 DE FADIA (MÉDIO):  supõe já uma interferência mais importante e mais constante na situação vital do paciente.

* É difícil para você realizar sua atividade de trabalho. 
* Às vezes você não pode concluir algumas tarefas que você iniciou ou falha em alguns objetivos predefinidos (por exemplo, estudos ou cursos de atualização). 
* pode exigir ausências de trabalho episódicas. 
* Esta situação fica ainda pior quando doenças ou situações coincidentes coincidem (infecções, alterações de humor, mudanças sazonais).

Em geral, limita as atividades da vida diária entre 30-50%, e é detectado pelo ambiente do paciente, que aprecia uma mudança substancial do paciente em relação à situação anterior à doença.

GRAU 3 DA FADIGA (SEVERA):  supõe uma importante e marcante repercussão nas atividades da vida cotidiana. Invalida o paciente para qualquer atividade que envolva algum esforço contínuo

* o paciente não pode trabalhar. 
* Você só pode fazer atividades mínimas de leve intensidade e de forma transitória. 
* afeta todas as áreas vitais (trabalho, lazer, vida sexual). 
* geralmente mantido de forma constante, com exacerbações durante doenças concomitantes 

afeta mais de 50%.

FADIA DE GRAU 4 (EXERCÍCIOS):  é uma situação de exacerbação transitória a ponto de o paciente não conseguir sair da cama e precisar de ajuda para atividades básicas. Não costuma durar mais de dez dias.

Leave a Reply

Scroll to Top