Dois tribunais reconhecem a fibromialgia como a principal causa para a aquisição de incapacidade permanente absoluta

A fibromialgia geralmente não é  a primeira causa  para garantir incapacidade permanente aos trabalhadores que sofrem com ela. Um dos argumentos mais utilizados nesse tipo de processo judicial é que “não há parâmetros suficientes para mensurar a dor, por isso, ser reconhecido em um julgamento é muitas vezes acompanhado por transtornos em saúde mental”, diz Mª José Iglesias. Toro, advogado trabalhista.

O Hospital San Juan de Dios do Aljarafe encerra 2013 com nove doações e 95.000 pacientes de emergência

© eldiario.es Hospital San Juan de Dios do Aljarafe fecha 2013 com nove doações e 95.000 pacientes de emergência

Agora, o Superior Tribunal de Justiça das Ilhas Canárias recolhe em uma sentença dois pontos sobre essa patologia que não são habituais em resoluções de deficiência: afirma que a fibromialgia é a primeira causa a conceder invalidez permanente absoluta a um trabalhador e também, o tribunal ele aceita os relatórios que confirmam a dor crônica que ele sofre. “Algo incomum nesse tipo de julgamento, já que um dos argumentos mais utilizados pela Previdência Social é que a dor é subjetiva e não constitui uma base para provar que a deficiência existe”, explica Iglesias a eldiario.es.

Para que um tribunal decida a favor da invalidez permanente absoluta – que não permite a realização de nenhuma função de trabalho – a pessoa afetada deve apresentar “lesões muito acentuadas acompanhadas de depressão crônica e longa evolução”, ressalta o advogado. É o caso de Ana (nome fictício), garçonete em um restaurante. Após um processo de incapacidade temporária derivado de um diagnóstico de fibromialgia, ele iniciou o processo para obter incapacidade permanente. A Equipe de Avaliação da Deficiência da Previdência Social (EVI) negou a solicitação.

O empregado processou o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) em um tribunal de primeira instância e o tribunal decidiu parcialmente a seu favor, concedendo a ela invalidez permanente total e uma pensão de 55% de sua base regulatória. No entanto, Ana recorreu da sentença e pediu ao TSJ das Ilhas Canárias para incluir no processo os testes de especialistas que o diagnosticam, além de fibromialgia, síndrome da fadiga crônica, ansiedade e tontura.

Especialistas enfatizam que uma das amostras para medir a doença é a dor, e por isso são levados em conta 18 pontos que são distribuídos simetricamente por todo o corpo. Alguns são encontrados na parte inferior do crânio, passando pelos cervicais, escápulas, costelas e joelhos. A confirmação de onze pontos de dor implica o diagnóstico da doença e deve haver pelo menos 14 pontos identificados para se obter incapacidade permanente.

Limitações na vida profissional

No caso de Ana, os 18 pontos de dor estão confirmados. O TSJ admite a evidência pericial que credencia seu diagnóstico. A decisão afirma que, para determinar uma incapacidade permanente absoluta, é necessário avaliar as limitações que existem na atividade de trabalho em vez das lesões sofridas. Mesmo o próprio EVI – que inicialmente negou a petição de invalidez – provou que a mulher afetada sofria de tontura, náusea e depressão.

“Haverá incapacidade absoluta sempre que houver condições demonstráveis ​​que desabilitem qualquer trabalho que tenha um salário normal no local de trabalho”, declara a resolução. Esta incapacidade não permite desempenhar qualquer função de trabalho para não poder garantir um mínimo de “desempenho, eficácia e profissionalismo”, ao contrário da incapacidade permanente total, que não desabilita o trabalhador para o exercício de outras profissões e é a mais comum neste trabalho. tipo de processo judicial.

O acórdão do Supremo Tribunal de Justiça declara a incapacidade permanente absoluta do trabalhador. Ele argumenta que os sintomas descritos são suficientes para “limitar o empregado ao desenvolvimento sob condições aceitáveis ​​de qualquer tipo de trabalho ou profissão” e condena a Previdência Social a pagar 100% do seu salário com as melhorias e reavaliações correspondentes Fevereiro de 2017, data em que o processo judicial foi iniciado. 

O caso de Mario (nome fictício) é semelhante. Ele era autônomo e se dedicava ao transporte de remoções. Ele foi diagnosticado com fibromialgia com o credenciamento dos 18 pontos de dor, além da síndrome da fadiga crônica e do distúrbio do sono.

O trabalhador solicitou o processamento do arquivo de incapacidade permanente, mas o EVI não o concedeu por “não apresentar reduções anatômicas ou funcionais que diminuam ou anulem sua capacidade de trabalho”. Tudo isso apesar do fato de dois relatos de dois hospitais em Madri e Barcelona terem credenciado as patologias que impediam Mario de realizar seu trabalho normalmente.

Mario também processou a Segurança Social. No seu caso, o tribunal de primeira instância concedeu a invalidez permanente absoluta e antes do recurso interposto pela SS.SS, o Supremo Tribunal de Madrid voltou a decidir a favor do empregado, concluindo que “limitações físicas o incapacitam para a sua profissão”. ” Além disso, a instituição terá que pagar 100% de sua base regulatória.

Justiça enfatiza no processo que existe jurisprudência que considera a fibromialgia como uma sequela invalidante absoluta ou total, portanto, neste caso, a avaliação feita pelo juiz de primeira instância é levada em conta no TSJ, já que O tipo de patologias é geralmente analisado individualmente.

Leave a Reply

Scroll to Top